A tradição do Festival da Cerâmica, na Itália.
21 de dezembro de 2018
Conheça uma galeria cerâmica a céu aberto, na África do Sul
24 de janeiro de 2019

A Cerâmica Miracanguera e seus mistérios!

Na margem esquerda do Rio Amazonas, entre Manaus e Itacoatiara, foram encontrados vestígios de inúmeros sítios indígenas pré-históricos. O que muitos de nós não sabemos é que ainda existem regiões ocultas situadas no interior da Amazônia e um povo, também desconhecido, que teria vivido por aquelas regiões e ainda hoje não foram totalmente desbravadas. É assim que começamos a falar sobre os Miracanguera.

 

Em 1870, numa de suas andanças pelo interior da Amazônia, o explorador João Barbosa Rodrigues descobriu uma grande necrópole indígena contendo uma vasta gama de peças em cerâmica de incrível perfeição, que teria sido construída por uma civilização até então desconhecida em nosso país. Utilizando a fonética usual dos índios da região, ele denominou o sítio de Miracanguera. A atenção do pesquisador foi atraída primeiramente por uma curiosa vasilha de cerâmica, propriedade de um viajante. Este informante citou tê-la adquirido de um mestiço, residente na Vila do Serpa (atual Itacoatiara), que dispunha de diversas peças, as quais teria recolhido na  Várzea de Matari, situada a poucos quilômetros da vila. Barbosa Rodrigues suspeitou que poderia se tratar de um sítio arqueológico de uma cultura totalmente diferente das já identificadas na Amazônia.

 

Em seu interior, as vasilhas continham ossos calcinados, demonstrando que os mortos tinham sido incinerados. De fato, a grande maioria dos despojos dos miracangueras era composta de cinzas. Além das vasilhas mortuárias, o pesquisador encontrou diversas tigelas e pratos utilitários, todos de formatos elegantes e cobertos por uma fina camada de barro branco, que os arqueólogos denominam “engobe”, tão perfeito que dava ao conjunto a aparência de porcelana.

 

Uma parte das vasilhas apresentava curiosas decorações e pinturas em preto e vermelho. Outro detalhe que surpreendeu o pesquisador foi a variedade de formas existentes nos sítios onde escavou, destacando certas vasilhas em formas de taças de pés altos, que lembram congêneres da Grécia Clássica.

 

Havia peças mais elaboradas, certamente para pessoas de posição elevada dentro do grupo. A cerâmica do sítio de Micaranguera recebia um banho de tabatinga (tipo de argila com material orgânico) e eventualmente uma pintura com motivos geométricos, além da decoração plástica que destacava detalhes específicos, tais como seres humanos sentados e com as pernas representadas.

 

João Barbosa Rodrigues faleceu em 1909. Em 1925, o famoso antropólogo Kurt Nimuendaju tentou encontrar Miracanguera, mas a ilha já tinha desaparecido nas águas do rio Amazonas. Arqueólogos americanos também vasculharam áreas arqueológicas da Amazônia, inclusive no Equador, Peru e Guiana Francesa, no final dos anos de 1940. Como não conseguiram achar Miracanguera, “decidiram” que a descoberta do brasileiro tinha sido “apenas de um sítio da chamada ‘Tradição Policrona’ ou seja, “uma sub-tradição de agricultores andinos”. Porém, nos anos de 1960, um outro americano lançou nova interpretação para aquela cultura, concluindo que o grupo indígena de Miracanguera não era originário da região, como já dizia Barbosa Rodrigues. Tratava-se de um mistério relativo a uma civilização perdida que, talvez, não seja solucionado nas próximas décadas. Em pleno século 21, a cultura miracanguera continua oficialmente “inexistente” para as autoridades culturais do Brasil e do mundo.

 

FONTE: Museu Nacional

 

Comentários estão fechados.